Esse espaço foi criado para divulgarmos crônicas sobre o Flu, tanto de escritores famosos quanto de iniciantes. Não deixe de conferir no final da página as crônicas anteriores.


Tudo É Fla-Flu, O Resto É Paisagem

Amigos, ninguém acredita nos profetas porque todo mundo ri do mistério. Negamos tudo o que escapa à nossa pétrea, obtusa e analfabeta objetividade. E no entanto vejam vocês: - a vitória do Fluminense sobre o Bangu fora profetizada, exaustiva e estrepitosamente, nesta coluna. Há o jogo e vencemos. Imediatamente todo mundo começou a rosnar, pelas esquinas e pelos botecos - "Coincidência! Coincidência!"

Amigos, vamos raciocinar. Uma coincidência prevista deixa de ser, obviamente, coincidência. Domingo, teremos o maior Fla-Flu de todos os tempos. Repito: - tudo é Fla-Flu e o resto paisagem. Está profetizada, com a mesma ênfase e o mesmo desprezo, uma nova e definitiva vitória tricolor. E quando ao soar o apito final o Fluminense enfiar a faixa, os mesmíssimos idiotas da objetividade vão enxergar no fato uma simples, gratuita e irresponsável coincidência.

Foi assim no pré-diluviano Fla-Flu de 1919. Lembro-me que, naquela época, apareceu, na minha rua, um profeta. Eu teria meus 7 anos salubérrimos. Entre parênteses, o Flamengo vergava ao peso do próprio favoritismo. E o profeta que era um pau-d’água irremediável começou a dizer, de porta em porta: - "O Fluminense vai ganhar! O Fluminense vai ganhar!" Foi assim, de segunda a domingo. Ninguém acreditou no vidente encharrado de cachaça.

Mas aí é que está: -um pau-d’água é também suscetível de mediunidade. Até que chega o domingo do Fla-Flu. Naquele tempo, a cobertura jornalística para o futebol era escassa ou nula. Não havia rádio, não havia nada. Uma notícia levava meia hora para chegar de uma esquina a outra. Pois bem: - e, apesar disso, não se falava senão no Fla-Flu. Era o tema obrigatório, nas farmácias, velórios e sobrados.

E nada descreve a total euforia rubro-negra. Como agora, a torcida flamenga estava certa do triunfo. Preparou-se uma banda. Quando acabasse o Fla-Flu, a "Marcha de Aída" ia soar, de uma ponta a outra da Rua Paissandu. Cada jogador rubro-negro seria levado na bandeja comoumleitáo assado. Sacos de confetes, caixbes de serpentina, corneteiros a rzvalo. Ia ser uma apoteose nunca vista, assim na terra, como no céu. E só um sujeito, entre tantos, entre todos continuava a repetir comum a pertinácia jucunda de bêbado: - "O Fluminense vai ganhar!"

Contra tudo e contra todos, realmente o tricolor enfiou, no rubro-negro, uma de 4 x 0. Lembro-me que Bacchi fez o último "goal" passando a bola por entre as pernas do inexpugnável Píndaro. E mais - continuou driblando e entrou com a bola e tudo. Entre um Fla-Flu e outro, há a distância infinita, milenar de quase meio século. E o que importa relembrar é que, também naquela ocasião, houve um Maomé, houve um Moisés, que foi o já citado pau-d’água.

Eis o que nossa admirável burrice não admite: - não há clássico ou pelada que não tenha o seu profeta. Vocês viram domingo, contra o Bangu. Houve um episódio, na batalha, que teria comprometido o nosso triunfo, se não existisse uma profecia irreversível. Refiro-me ao penalti que Carlos Alberto perdeu.

O nosso zagueiro é um jogador estupendo. Mas o diabo é que o brasileiro está sempre a um milímetro da máscara. E Carlos Alberto achou que não precisava chutar, que bastaria empurrar a bola. Fosse ele um perna-de-pau e eu não estaria fazendo este comentário. Mas um craque merece que lhe digam: - "Rapaz! olha essa mascarazinha!".

E de fato, ele pôs em risco mortal a nossa vitória e o nosso campeonato. O que eu queria dizer é que a falta indesculpável de Carlos Alberto fez balançar a profecia. E o Fluminense só resistiu por que está marcado para ser o campeão.

Agora é o Fla-Flu. O profeta, lá na caverna que habita, coçando a sarna que o deleita, vai repetir até domingo: - "Fluminense campeão".

Nélson Rodrigues


 
CRÔNICAS ANTERIORES:

Perder & Ganhar - Julio Drummond - 25/05/2018
Nocaute - Julio DRummond - 25/05/2018
Titanic - Julio Drummond - 18/01/2018
290 - Julio Drummond - 25/12/2017
Doce sabor da vingança - Julio Drummond - 22/09/2017
Dia 13 - Julio Drummond - 14/08/2017
AxeFLU - Julio Drummond - 07/07/2017
Crônica sobre o título de 1995 - Joaci Tavares de Araújo Júnior - 01/07/2017
Perdas & Ganhos - Julio Drummond - 01/07/2017
Desclassificação ? - Julio Drummond - 07/06/2017
MD - Julio Drummond - 23/05/2017
A batalha - Alexandre Pardal - 05/05/2017
Ser Tricolor - Julio Drummond - 02/05/2017
Salve Jorge - Julio Drummond - 02/05/2017
Da Angústia a Glória - Joaci Tavares de Araújo Júnior - 02/05/2017
Maracanã - Julio Drummond - 19/04/2017
Betales I - Julio Drummond - 08/04/2017
fla x FLU - Julio Drummond - 05/04/2017
Nice to meet you - Julio Drummond - 05/04/2017
2017 - Julio Drummond - 13/02/2017
2016 - Julio Drummond - 16/01/2017
9 de julho - Julio Drummond - 02/08/2016
Shopping ? - Julio Drummond - 28/07/2016
Único e Indivisível - Julio Drummond - 04/07/2016
Xadrez & Dama - Julio Drummond - 23/02/2016
Água - Julio Drummond - 01/02/2016
1904 - Julio Drummond - 17/08/2015
Roberto - Julio Drummond - 17/08/2015
Fifty - Julio Drummond - 10/07/2015
KW - Julio Drummond - 10/07/2015
     (1)  2  3  4  5  6  Próxima  Última 
  


Copyright (c) 1998-2018 Sempre Flu - Todos os direitos reservados