Colunistas -

Vôlei Feminino E Time Sub-17 (08/12/2018)

Vitória espetacular contra o mais caro time de vôlei feminino do país, o Sesc-RJ, de Bernardinho, o que levou o Fluminense à vice-liderança do campeonato. Como há algum tempo defendo o fim dos esportes olímpicos, estou sendo contraditório na comemoração?

Não estou, e explico: Sempre achei que os esportes olímpicos tinham que se autofinanciar, com patrocínios próprios, e não podiam viver às custas do futebol. E fui informado que é exatamente o que acontece com o nosso vôlei feminino.

É um timaço, e o Fluminense sempre teve tradição no esporte, até a morte que nos foi imposta por Fábio Egypto, nos anos 80. Era a base da seleção brasileira na primeira metade da década de 80: Regina Uchôa, Célia, Dulce Thompson, Heloísa Roese e outras grandes craques.

Duro é assistir pelo Sportv, com a dupla Euzébio Rezende/Nalbert torcendo descaradamente, desavergonhadamente, contra o Flu. O vascaíno Euzébio é manjado, odeia o Fluminense desde sempre, quando ainda narrava futebol desde os anos 90.

Nenhum problema em ser vascaíno, flamenguista ou botafoguense. Todo mundo que é envolvido com esporte tem um time, torce por algum clube. O que é inadmissível é o sujeito torcer e vestir a camisa de torcedor enquanto trabalha, principalmente se finge ser ?jornalista?.

A ESPN demitiu o tal de Eduardo Monsanto, o Meligeni, e reduziu os salários de alguns de seus comentaristas e locutores. Contenção de despesas. Eu torço sempre pela demissão do Juca Kifuro, que é apenas um militante do Curintcha e do PT, nada mais do que isso.

Mas vai ser difícil. Jornalismo é uma profissão corporativista, de panelas, e que praticamente exige uma postura ?de esquerda? dos profissionais na maioria dos veículos ? a menos que o camarada seja um medalhão, como o Galvão Bueno e sua turma.

Pois o Kifuro é um medalhão, e é preciso peito para pô-lo no olho da rua, o lugar que merece, porque é desonesto profissionalmente.

Sobre o nosso time Sub-17, acho que ficou claro para todo mundo que viu o Fla-Flu no Maracanã e que vem acompanhando os meninos em sua brilhante trajetória: é o melhor time do Brasil na categoria, mas muitos estão jogando apenas para si.

O Wallace, por exemplo, é brilhante, forte fisicamente, mas quer fazer tudo sozinho, mesmo que tenha um companheiro na cara do gol, e que ele próprio esteja cercado de marcadores. Os excepcionais Marcos Paulo e João Pedro também rebolam.

Empatamos o jogo porque o time do Flamengo é mais forte fisicamente, muito bem armado, marcou a nossa saída de bola com força e dedicação, e o principal: seus meninos jogam para o time, sacrificam-se, não tentam exibição individual boboca.

Mas somos mais time, vários dos meninos já deviam estar sendo usados no time titular e acredito que vamos ganhar essa Copa do Brasil. A tragédia é que Pedro Abad vai vender esses garotos um a um, mês a mês, para pagar a folha salarial do time titular.

E vai vender mal, como sempre faz. E o dinheiro vai sumir. O Bahia está exigindo 50 milhões para vender uma revelação, o bom volante Ramires, de 18 anos. O Flu vende os garotos por quaisquer dez merréis. Estão destruindo o Fluminense, que hoje é menor do que o Patético-PR.

Por favor, Pedro Abad, renuncie. Salve o Flu, porque a sua credibilidade é zero. Deixe o nosso clube em paz!

-


 
Desculpe, não há artigos no momento.
  


Copyright (c) 1998-2019 Sempre Flu - Todos os direitos reservados